Drywall e ESG

Adotar métodos construtivos sustentáveis não é questão de “se”, mas de “quando”

 23 de Junho de 2022

Textos Notícias

Você já ouviu falar em ESG, certo?

Trata-se da sigla de Environmental (Ambiental – “E”), Social (Social – “S”) e Governance (Governança – “G”). O termo está tão em alta que sua busca no Google triplicou nos últimos doze meses aqui no Brasil.

Em linhas gerais, ESG refere-se às melhores práticas ambientais, sociais e de governança de um negócio.

Quando aproximamos a lupa para a letra “E”, fica evidente que o drywall é um material que dialoga muito bem com essa questão da sustentabilidade.

As chapas de drywall (gesso acartonado) fazem parte do método conhecido como construção a seco. É o sistema que menos impactos causa ao meio ambiente, pois gera uma quantidade de entulho muito pequena.

Estudos apontam que os resíduos produzidos durante a instalação de drywall correspondem a 5% do seu peso, número seis vezes inferior ao observado em obras com alvenaria.

Sem contar que as sobras de todo o sistema, como restos de chapas e perfis metálicos, são 100% recicláveis.

Vale a pena ressaltar também que a construção a seco, como o próprio nome indica, consome mínimas quantidades de água.

Portanto, sob um pano de fundo em que o ESG ganha cada vez mais relevância, inclusive como forma de avaliar financeiramente uma empresa, adotar métodos construtivos sustentáveis não é questão de “se”, mas de “quando”.


 Comentários

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail

 Nós respeitamos sua privacidade e somos contra o spam na internet.

Instagram

Siga nosso Instagram: @trevodrywall