Por que os funcionários da Trevo Drywall são mais felizes

Autonomia e ambiente de negócios onde todos prosperam colaboram com a baixa rotatividade

 04 de Fevereiro de 2021

Textos Notícias

Especialistas em RH garantem: a rotatividade – ou turnover – de funcionários é fato consumado, sobretudo em meio às gerações Z e Y, ávidas por mobilidade e com pouca (ou nenhuma) paciência para fazer carreira em apenas uma empresa. Mas, como tudo na vida, há exceções, e a Trevo Drywall é uma delas.

Localizada em Juazeiro do Norte, segunda maior cidade do Ceará, a Trevo começou a operar em 2010. Ano passado, muitos dos seus funcionários completaram dez anos de casa. Ou seja, a primeira leva de contratados permanece na empresa até hoje. Sem contar que, dos atuais 200 e poucos colaboradores, a maioria trabalha lá há mais de cinco anos.

Uma das razões para isso pode parecer até meio banal, mas não é: cumprir o que promete. Isso porque, em ambientes corporativos, nem sempre é fácil transformar aquela bela apresentação Power Point em realidade. “A gestão da Trevo é marcada pela horizontalidade e transparência na comunicação, por muitas situações olho no olho. Ou seja, não há espaço para assumir compromissos que não serão cumpridos”, resume Sávio Maia, CEO. Líderes e liderados trabalham bem próximos, e essa proximidade, com o tempo, fortalece a confiança.

Se compartilhar é se importar (“sharing is caring”), criar um ambiente de negócios onde todos prosperam, e não apenas alguns, também ajuda a reduzir a rotatividade dos funcionários da Trevo. Maia cita como exemplo o plano de saúde, benefício concedido em plena pandemia, sem coparticipação e extensivo a todos os familiares dos colaboradores. “Foi uma forma de retribuir o bom resultado que conseguimos no período anterior”.

A propósito do pacote de benefícios, o benchmark da Trevo são as multinacionais e as gigantes nacionais. Esse ponto é tão marcante que, nos processos de seleção, a remuneração propriamente dita, se não chega a ser um fator secundário, perde bastante força diante dos demais atrativos oferecidos.

Outro ponto que pesa na manutenção dos talentos é a autonomia dos colaboradores. Já no processo de integração a pessoa entende que o seu grau de liberdade estará diretamente ligado à responsabilidade que demonstrar para exercer determinada função. Cobranças, é claro, sempre existem, mas de maneira muito mais sadia e propositiva.

Tanto é assim que a Trevo virou referência na região quando o assunto é “melhor lugar para trabalhar”, posição confirmada pela penca de currículos de parentes e amigos dos funcionários que chegam todos os dias. Responda rápido: você indicaria a empresa na qual trabalha para a sua mãe?

Esse feedback, observa o CEO da Trevo, é em boa parte fruto da gestão humanizada que vem sendo implantada desde meados de 2019. “Ainda temos um longo caminho a percorrer para criar um ambiente de felicidade profissional e pessoal. Há um mar de oportunidades a ser explorado, muita coisa foi interrompida por causa da pandemia, mas já conseguimos dar os primeiros passos”, conclui.  


 Comentários

Newsletter

Receba nosso conteúdo em seu e-mail

 Nós respeitamos sua privacidade e somos contra o spam na internet.

Instagram

Siga nosso Instagram: @trevodrywall